Você está fazendo o que ama?

Os tempos são outros. Trabalhar não mais tem que significar o tédio ou apenas o ir para o escritório, cumprir tarefas e voltar para casa. Trabalho e vida pessoal agora estão tão misturados que o prazer dos dois se confunde. Fazer o que gosta significa fazer com mais motivação e, por isso, apresentar melhores resultados.

Mas, nem sempre foi assim. A chamada geração baby boomer, nascida entre 1945 e 1964, tinha como lema manter as coisas simples. As regras, horários e tarefas eram simples. O espaço de trabalho se limitava ao escritório e a experiência era o que mais mandava. A estabilidade, buscada por todos, era considerada o grande sucesso da carreira.

A geração X mudou um pouco as coisas. Ela foi a responsável por mudar a relação de tempo entre trabalho e recompensa. Mais extrovertidos no ambiente de trabalho, esses profissionais eram competitivos e trouxeram a tona o conceito de workaholic. A meritocracia era a responsável pelo desenvolvimento da carreira, e não mais a experiência. Conseguir ganhar dinheiro ainda jovem era o grande sinal de sucesso.

Agora, as novas gerações estão mais preocupadas em aproveitar o caminho do que em chegar a algum cargo específico ou ficar rico. É o prazer que determina a realização profissional e bem sucedido é que consegue o profissionalismo com a vida pessoal. A busca é por oportunidades que unam paixão e trabalho. E a forma como lidamos com o o que fazemos influencia diretamente a jeito como vemos a vida e lidamos com o mundo.

E você, ama o que faz? O relógio está correndo. Vá atrás dos seus sonhos!

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.